29.10.10

da 3ª fileira


é. foi ontem!
com o garibaldi e o jayme.
na sala são paulo de todas as quintas.
pra vê-lo ao vivo. o antônio meneses do cello.

de acordo com o ingresso, era pra ser de longe. e ia ser bom do mesmo jeito. lá do balcão superior. a música ia chegar bem aos ouvidos.
mas, o inconformismo sempre me acompanha nessas ocasiões. aliás, não só nelas.
nem me dei o trabalho de subir os quarto lances de escadas.
a platéia central é tão mais próxima...

"- cada um entra por um lado".
e assim foi!

o jayme seguiu esse conselho, mas acabou entrando pelo lado que levava até seu assento original. certo ele. gosta do seguro.
não é o meu caso.
lá da platéia central, eu avisto o garibaldi caminhando como se desfrutasse de um domingo no parque, tranquilo...

havia três opções:
1- a comportada: assentos vazios na segunda metade da platéia, meio longe, mas mesmo assim, na platéia. idéia pouco ousada.
2- a ousada: assentos vazios na terceira fileira, perto do solista e com ótima visão da orquestra.
3- a muito ousada: assentos vazios na primeira fileira, onde a visão da orquestra é comprometida, mas dá pra sentir as gotas de suor do solista espirrando durante a performance.

eu nunca erro nessas coisas. pelo menos até aqui nunca errei. consultei o garibaldi, enquanto conversávamos calmamente em pé, como se fôssemos um dos vips da platéia central. meu olhar "biônico"detectou que os dois assentos da ponta na terceira fileira eram OS NOSSOS. em dado momento, falei: "é agora". partimos para a segunda opção : a "ousada".

havia quatro assentos vazios nessa fileira. sentamos nos 2 da ponta. outros 2 jovens (digo isso porque quase ninguém da minha idade que está ali pagou por aquele ingresso... o lugar de jovem estudante é no balcão superior...rsrs... conforme a velhice vai chegando, desce-se os andares) ocuparam os 2 lugares restantes. "se os donos do lugar chegarem a gente sai". ouvi essa frase, e engoli seco. essa era A MINHA frase também.
ficamos os quatro, tensos, esperando o terceiro sinal tocar e todos o indivíduos de meia idade acomodarem-se em seus assentos caríssimos.
dois minutos depois, os jovens do nosso lado foram obrigados a se levantar e mendigar outros lugares. os donos chegaram!

antes que pudéssemos temer a igualmente dura perda de nossos postos ilegítimos, o concerto começou. que alívio!

começou com uma peça de carlos gomes.
bonito.
acabou logo. e minhas mãos começaram a suar.
veio o anúncio. era ele.
de repente, o mito do cello entrava, ali, a três fileiras de mim! acho que meus globos oculares pularam e por lá ficaram.
tocou o shostakovich, tocou prelúdio de bach.
tocou minha alma. quanta verdade, quanta submissão. um súdito e servo da música. leal ao seu ofício e não ao seu orgulho. a serviço da beleza e da poesia. absolutamente imerso, não se deixou abalar mesmo com as 3 INACREDITÁVEIS vezes em que celulares tocaram! vergonhoso! foi como ir do céu ao inferno em questão de segundos. mas meneses trouxe rapidamente a platéia de volta a atmosfera celestial.

intervalo.

depois, ainda ouvimos o choros n. 6 de villa-lobos (com direito a momentos surreais e algumas belas coincidências) e pra fechar, ele, o rei da orquestração: RAVEL. sim, a valsa, de ravel!

ah, que noite!
saí exasperada. sem nem saber direito o que falar.
estive a 3 fileiras do mito.

e hoje de manhã, meu pai me liga pra contar um "causo":
"ah, filha, eu já gravei muito com esse cellista que você assistiu ontem! gravamos pela primeira vez quando ele tinha 18 anos! era só ele tocar e o som da orquestra inteira mudava. muito talentoso. depois ainda gravamos várias outras vezes! "

ô mundinho, viu?!?
foram 3 fileiras.
o suficiente pra mim ;)

o táxi nosso de cada quinta


do taxi, a caminho da sala são paulo, logo depois que desliguei o celular em que falava com meu primo léo:

"a senhora é cantora?"
"sou sim!", com um sorriso no rosto.
"canta o quê?"
"música evangélica. e também sou professora de música".
"ah! meu filho tocou viola 6 anos naquele projeto do governo. como chama mesmo?"
"ahhhh! o projeto GURI! é esse?"
"esse mesmo! mas agora, tá no último ano de faculdade; parou com a viola. me deu uma tristeza... se eu tiver tempo, quero fazer faculdade também. e vai ser de direito. gosto das "coisa" bem "certinho".


e eu já gostei dele, da sua fala simples e sincera.
quanta gente por aí!
quanta gente e eu nem sei...




27.10.10

"professorando"


eu ensino porque espero uma esperança pueril.
nem só é para alunos.

ela transborda de mim, incontrolável. e me toma, se apodera e vai escorrendo pelas mãos, pelos lábios, virando palavra escrita e dita. virando nota, virando som. virando qualquer coisa que se espalhe.

qualquer um ouve. não sei. é o desejo! mas nem todos tem o espírito de aluno, de sangue-suga, de extração máxima de tudo, de todos.
nem todos.

eu sempre soube.
mas perdidos entre as multidões surdas, estão os ricos e vazios de espírito. ricos por conterem o saber de que existem barulhos nobres perdidos por esses ares, e vazios por entenderem que sempre pode-se preencher, avolumar, transbordar.

essa sou eu, então.
e me mergulho, me completo com uma porção de outras águas que não sei conter. uma vez em mim, se espalham.

é bonito ser professor.
ô, como gosto!
não só por profissão; por vocação.



e esse blog me eterniza assim ;)

26.10.10

um daqueles!

faz um tempinho que não posto um vídeo besta que gravo as vezes com o sullivan.
esse nós gravamos no feriado do dia das crianças.

duas criaturas imbecis, lendo música como sempre ( e errando muito).
eu não entendo, mas a gente gasta HORAS fazendo isso e se diverte!
tem uns outros vídeos vocais, mas esses não dá pra postar! rsrsrs...

de qualquer forma, nesse vídeo começamos tocando schubert e depois, mudamos pra chopin.
no dia seguinte a esse, nós assistimos juntos pela primeira vez o concurso chopin, e assim começou a minha obsessão e meus posts frenéticos!

enjoy!

video

25.10.10

dos tempos de faculdade

não que eles tenham acabado. meus tempos de faculdade ainda estão no meu presente, mas talvez não
tão "presentes" ;)

lembro que quando estudamos o romantismo na matéria de história da música, um dos trabalhos em grupo foi apresentar um recital (em grupo) somente com músicas do romantismo. o recital precisava reunir obras vocais e de câmera.

eu toquei um noturno de chopin e cantei essa canção de schubert!
lembro que o professor havia mostrado pra turma essa mesma música durante uma aula e eu me encantei de imediato. coisa linda.

cantei as 7:30 da manhã. só por essa informação, já dá pra imaginar o resultado (rs!) ...
mas valeu a intenção, e ninguém saiu horrorizado (pelo menos eu acho)..

deveria ter gravado.

enjoy!

almofadinhas


o fim de semana no sul me fez um agrado com todo o seu frio fora de época.
e essas fotos, um aconchego só!

tão bela estação, tão curta nesse país tropical.

;)

ahaa!

mentira, mentira!

tem sim! eu ia substituir um post pelo outro, mas é legal comparar!
pra quem está lendo isso, leia o post abaixo!

essa versão é a do concerto dos vencedores.
a versão abaixo foi gravada durante as competições!

beleza pura, pura.


andante spinato

depois de um fim de semana super bacana no sul do brasil, eu começo essa semana postando um bálsamo!
esse é o ingolf wunder, o favorito de quase todos (menos meu)...
ele é bom! claro que é!

essa é sua interpretação do andante spinato de chopin acho que na segunda fase. ele tocou isso de novo no concerto dos vencedores e foi SURREAL! só que ainda não tem essa versão do youtube, então estou colocando essa versão, que é mais tensa, mais preocupada (interpretativamente).
a versão do concerto dos vencedores é mais livre, mais tranquila, um pouquinho amarga. por isso, é tão linda!

de qualquer forma, aqui já dá pra ter um gostinho!
boa semana pra todos ;)


ps: é verdade que eu estou sentindo um vazio imenso por esse concurso ter acabado ;)


21.10.10

foi melhor que doce ;)


depois, mais tarde, deitada na cama, fiquei pensando...

como foi interessante a decisão do júri.
além optar pela novidade e criação, provaram que a popularidade e o favoritismo não são soberanos!
Ingolf Wunder não só ficou com o segundo lugar para o desapontamento da maioria da crítica, mas teve que dividí-lo com meu querido e jovem Lukas Geniusas, que sem dúvidas, foi brilhante e mereceu a colocação! eu imagino o ego! ai!

que felicidade. meus dois favoritos como primeiro e segundo colocados e o favorito da crítica foi colocado em seu devido lugar :) o mais interessante foi ler os blogs e os comentários da crítica desapontada com os resultados e no fim das contas, TENDO que admitir que Yulianna Avdeeva e Lukas Geniusas foram merecedores do prêmio....hahahaha! no mínimo engraçado de se ler! pra quem lê em inglês, eis aqui o link de um dos blogs www.gramophone.co.uk/podium/chopin-competition-live ...(interessante é ler o penúltimo post, e depois o último, e verificar a indignação da jornalista....haha!)

isso me mostra algo muito, muito animador: a música em si ainda é o elemento de maior importância, e o júri foi impecável na sua forma de se comunicar com o mundo através desse veredito!

que decisão!

bom, hoje, as 4 da tarde, é a cerimônia de premiação!
assistamos juntos!!

desde já, muito obrigada aqueles que leram e acompanharam este concurso!
daqui 5 anos, tem mais ;)

ha!

cheguei em casa correndo, abri o computador numa ansiedade imensa!
será? será que houve bom senso? será que classificaram lukas geniusas que foi tão brilhante? será que optaram pelo favoritismo? será que consideraram a habilidade de criação da yulianna? será?

eis o resultado:

Verdict of the Jury - list of laureates of the 16th International Chopin Piano Competition:
PrizeNo.
Name
Surname
Country
13MsYuliannaAvdeevaRussia
214MrLukasGeniušasRussia/Lithuania
2
79MrIngolfWunderAustria
372MrDaniilTrifonovRussia
45MrEvgeniBozhanovBulgaria
59MrFrançoisDumontFrance
6 not awarded


The best performance of a polonaise in Stage II: Lukas Geniušas

The best performance of mazurkas: Daniil Trifonov

The best performance of a concerto: Ingolf Wunder

The best performance of a sonata: Yulianna Avdeeva

The best performance of the Polonaise-Fantasy op. 61: Ingolf Wunder



e fiquei mais 2 horas acesa!

que alegria! meu instinto não me engana ;)

20.10.10

e agora,

10. François Dumond



o derradeiro finalista francês de 25 anos não me convenceu desde a primeira vez que o assisti.

eu repito que todos os 10 escolhidos para a final COM CERTEZA são excepcionais técnica e interpretativamente, mas já que é preciso escolher O melhor, alguns pormenores precisam ser apontados.

François teve o azar de tocar na segunda fase logo depois de Lukas Geniusas, que é poço do lirismo e do controle apaixonado.
François tocou o tempo todo num piano Fazioli, que aliás, foi escolha de quase 50% dos finalistas. Achei a interpretação francesa meio sem requinte. outra coisa que me incomodou foi o seu remelexo generalizado ao tocar o impromptu em A bemol maior, op. 29! Era distrativo.

acho que na realidade, não afinei musicalmente com suas leituras e depois disso, cada detalhe era motivo para me desagradar. até nas mãos dele achei defeito (judiação)....

tem nuances, tem cor. claro que tem. tem basicamente tudo. mas não me tocou!

não se espera muito dessa sua última performance. ele possui, claro, todos os requisitos necessários para se chegar a final do concurso chopin.
mas acredito eu, por lá ficará.
seu troféu será "ter chegado a final"...

rs!

9. Hélène Tysman



a frança chegou para fechar o concurso com chave de ferrugem...(rsrsrs!)
não sou uma grande fã de nenhum dos dois últimos pianistas. e curiosamente, ambos são franceses.

dei uma ouvida na performance da terceira fase da hélène! é uma performance bem carregada, diferente. principalmente quando ouvi sua leitura da sonata em B bemol m, op. 35, achei os rubatos um pouco exagerados.

mas ela sabe tocar grande, tocar com poder. tem lirismo também, mas não do mais refinado.

nem tenho muito o que comentar.
já se sabe que os dois franceses não tem chance de estar entre os 3 primeiros lugares (infelizmente, para eles..)
ela será a segunda a tocar hoje, e será a segunda e última do grupo dos finalistas a tocar o concerto em Fm. (o nº 2). corajosa.

assistam e confiram ;)

19.10.10

8. Lukas Geniusas



eu gostei dele desde a primeira vez que ouvi!
e eu passei com ouvidos dispersos, desacreditados (as performances que antecederam a dele na segunda fase foram desastrosas. eu estava desesperançosa). e seu chopin foi como um imã.

russo de 20 anos. um apaixonado.
é, quem sabe, um dos únicos que está na final que possui genuinamente essa característica.
toda a sua produção é tão orgânica e natural que os olhos e ouvidos de quem assiste seguem as danças melódicas quase que num ato hipnótico. foi isso que me aconteceu.

ele é contido nos gestos. tudo é muito interno, mas verdadeiro. exagero é uma palavra que não existe no seu vocabulário! muitas nuances e cores, e é claro, virtuosismo! mas como já mencionei, Lukas é outro que usa o virtuosismo a favor da música e não o contrário.
a música acima de tudo! e que nobre ideal a se perseguir!

nessa sua curta existência, ele tem o concerto n. 3 de rachmaninov no seu repertório.
é ousadinho o menino!
eu, sinceramente, estou encontrando dificuldade para tentar descrever suas características como intérprete.

talvez o júri o considere jovem demais. previsível? de jeito nenhum!
e eu vou estar dando aulas quando ele tocar... que dor!
preciso arrumar um jeito de gravar!
das performances de amanhã, essa é a única que eu espero com ansiedade e que eu acredito ter chances de concorrer ao pódio! será a primeira, as 14:00 hs!

e eu sigo na elaboração dos dois últimos posts sobre os intérpretes 9 e 10, já com um ar saudoso.
amanhã é realmente o último dia!

assista ;)

the final looks like this:




sobre o dia de hoje: meu olhar


as competições foram intensas hoje.
bem mais do que ontem.

os três pianistas que competiram esta tarde tocaram o concerto n. 1, em Em.
o pequeno nikolay abriu a "noite" polonesa com um toque fluente, seguro, promissor. as notas pareciam pular de seus dedos e ele sem esforço nenhum, era o mediador entre as idéias e a música que acontecia quase que automaticamente.

logo em seguida, a minha querida yulianna avdeeva. tensa. começou o concerto suada.
tudo muito denso, muito sentido, muito pensado. muitíssimo diferente do pianista anterior. interessante comparar a mesma obra assim, quase que imediatamente e ao vivo. cheia de novas idéias, muito sentimento. foi ousada. os críticos agora elogiam sua interpretação, mas questionam se aquilo foi realmente chopin ou outra coisa....
não me importa. foi minha preferida da noite. e provou ser absolutamente impecável não só como recitalista, mas como concertista. as entradas e saídas do piano e o entrosamento com o maestro foram fantásticos (apesar de a orquestra ter deixado BASTANTE a desejar).
quando acabou, ela sabia que tinha ido bem. tinha sido criativa e ousada, e sabia! tinha um sorrisão no rosto e um ar de satisfação. eu, daqui da minha tela de computador, soltei um suspiro aliviado! ela conseguiu surpreender!

"last, but certainly not least", chegou a estrela da noite, o queridinho, o favorito.
eu não o queria tanto. fiz até uma twitcam assistindo seu concerto.
Ingolf toca lindo, seguro, é profissional. mas pra mim, é muita certeza. beira a arrogância. não me deixa querer desvendar qual será o som da nota seguinte. os caminhos pelos quais Ingolf conduz chopin são certos mas conhecidos. já foram trilhados. por vários momentos, eu tive a impressão de que seus dedos estavam no piloto automático, e ele só trabalhava as ênfases, os acentos. mas preciso admitir que sua conversa com a orquestra foi perfeita. ele também é mestre na arte de tocar como concertista!

a crítica amou. foi longamente ovacionado! já o consideram o 1º lugar.
temo por sua vitória (rs!). não porque não a mereça. é claro que merece!
mas fiquei intrigada com a resistência perante músicos que ousam, que tentam novas leituras, ou que tornam as interpretações tão suas que ninguém seria capaz de copia-las. esses valorosos corajosos são rapidamente elogiados e tão logo abandonados pelos holofotes, que ávidamente procuram iluminar performances tradicionalmente agradáveis, seguras.

não sei. ainda tenho fé no senso inventivo e latino da martha, no lirismo do nelson e na modernidade do philliphe entremont. quem sabe eles não levem isso em consideração na hora de decretar o veredito !?!

amanhã, ainda tem Lukas Geniusas (o terceiro e último dos meus favoritos).
mas não vou me alongar falando dele aqui. vou agora, trabalhar nos posts individuais dos três intérpretes que tocarão amanhã.

em suma: dia intenso e de longe, musicalmente mais interessante do que ontem ;)

7. Ingolf Wunder



esse é o queridinho do concurso.
todos o amam, todos o querem!
é um austríaco de 25 anos e é o último a se apresentar hoje.
vai tocar também o concerto n. 1 em Em, op. 11 e toca num steinway!

ele realmente encantou, enfeitiçou a todos.
Marcin Majchrowski, da rádio polonesa, tentou descrever a performance de Wunder na terceira fase com as seguintes palavras:


(...) Então, aconteceu algo que é difícil de descrever. Hoje, eu acredito sem dúvida que Ingolf Wunder conseguiu se superar. Seu programa, em ordem cronológica, foi composto pelo Rondo, Op. 5, o Bolero, Op. 19, Sonata em B o menor e a Polonaise-Fantaisie. Ele mostrou uma rica e elaborada paleta pianística. Seu estilo era maravilhosamente espirituoso e cintilante. E depois? Minhas ladainhas podem preencher várias colunas, por isso talvez eu devesse simplesmente dizer que não se ouve música tão sensível e convincente todos os dias. Ele abriu a Sonata em B menor com um épico Allegro, fechando com um final espetacular e, em seguida conjurou uma inédita Polonaise-Fantaisie! Era um sonho de perfeição dramática e lírica; mil elementos combinados em direção ao clímax, gigantesca e aterrorizante.
Ninguém, nesta fase da competição jamais ousou tentar isso ... mas Wunder conseguiu!


ele é realmente bom! carismático e tudo mais.
mas não me ganhou! nem sei porque!
assisti algumas vezes pra tentar me convencer. talvez isso ainda aconteça.
ainda não sei qual foi a razão do bloqueio!

de qualquer forma, ele é o último a tocar na noite de hoje.
se ganhar, vai ser marmelada. mas, merecidamente.
e o resto a gente já sabe. vai sair do concurso com um contrato com a deutsche grammophon, vai gravar todas as obras de chopin, e sair em turnê com o Claudio Abbado e a filarmônica de berlin pelo mundo....hahahahahaha!...


vejamos!

6. Yulianna Avdeeva




pra quem me segue no twitter, já viu que eu adorei ela!
russa, de 24 anos.
assisti ao vivo sua performance na terça passada, tocando na segunda fase. depois de uma sucessão de pianistas ruins e performances sem sal, veio yulliana, para esquentar e embasbacar a todos nós.
o Sullivan estava comigo. foi algo imediato. a gente estava almoçando, e o computador estava ligado. a competição estava num breve intervalo, mas logo que ela começou a tocar, os dois correram para o escritório e de lá saímos somente 50 min depois.

ela, sem exagero, é tudo de bom.
toca claro, forte, tem lirismo, muita sensibilidade, muita alma, mas é visceral ao mesmo tempo. uma combinação rara. toca pertinho do piano. e tem "aquela"energia, que prende. aquela coisa que não dá pra explicar. ela é outra que tem isso.
pra completar, é bonita!

desde que a assistimos pela primeira vez, gostamos dela. e o sullivan ainda falou "essa mulher ainda vai ser muito famosa, e a gente ainda vai pagar muito dinheiro pra vê-la ao vivo".
eu acredito!
cativou o público e virou celebridade durante as competições. muitíssimo fotografada , ela é mencionada praticamente todos os dias nas notícias do concurso.

vai ser a segunda a se apresentar hoje e eu estou torcendo muito por ela. é uma das minhas favoritas sim.
e não só minha. ela É uma favorita.
toca sempre num yamaha (rs!)....

se ela ganhar, já estou feliz ;)

5. Nikolay Khozyainov



russo (novidade) de 17 anos.
já ganhou uns prêmios aqui e ali e também é a sensação da rússia.

seu desempenho durante o concurso foi brilhante.
apesar da idade, toca profundo (bem melhor que polonês, por sinal). seu chopin é denso, mas não exagerado.
achei bonito.
apesar disso, não é um favorito.
mas isso está longe de ser um veredito, porque as finais de ontem ostentaram a performance de um dos favoritos e o resultado não foi a contento (de acordo com a crítica).

acho que se for extremamente bem no concerto de hoje, só leva a medalha se um dos próximos favoritos for muito mal.
e temos pelos menos mais uns três prediletos.
outra coisa que pode ser muito ruim para Nikolay: para o seu azar, justamente no dia de hoje, a russa Yulliana Avdeeva e o favoritíssimo austríaco Ingolf Wunder tocam logo depois dele.
ou seja: difícil!!

de qualquer forma, durante a segunda fase sua performance foi impecável, lírica, madura. e pra melhorar, tocou meu scherzo de chopin predileto: o n. 4, em E ....
realmente me impressionou. e eu devo confessar que como já havia escolhido os meus "queridinhos", nem estava tão ávida assim para avaliar seu desempenho.
ele surpreendeu.

deve ter ocorrido o mesmo com o público.
vejamos hoje. ele será o primeiro da noite, tocando o concerto n. 1 em Em, op. 11.
no horário do brasil, a final começa as 13:00 h.

até lá...



fica aqui minha homenagem ao meu pá, que completa mais um ano de vida hoje.
que me instigou a trilhar os caminhos da música e tantos outros.

parabéns. amo vc!

do blog da gramophone

eis a opinião extraída do blog da gramophone, escrita pela jornalista Emma Baker, sobre os concertos de ontem:


The concerto finals have begun

Have we spotted the winner yet?

Emma Baker 10:10am GMT 19th October 2010

Last night, the Warsaw Philharmonic Hall was packed to the rafters, the atmosphere was celebratory, the stage was crammed with orchestral players. It was the first night of the concerto finals, an evening of three E minor Concertos and one F minor. Would we hear the winner?

First to perform the E minor Concerto was 2007 Tchaikovsky competition second-prize winner Miroslav Kultyshev (no first prize awarded). He’s a brilliant pianist, technically superb, with a full, warm tone. He played everything tastefully, perfectly. But ultimately it lacked soul. So no, not the winner.

The Steinway was wheeled off and the Fazioli took its place for Daniil Trifonov. Although he was uncontrolled in the first movement of the E minor (perhaps he was nervous), in the second and third there were some lovely things happening. His playing was full of fevered imagination and if a few of his ideas were a little left-field and didn’t quite work, there were still genuinely spine-tingling moments. But sadly, not a winning performance.

Pawel Wackarecy, the lone Pole in the finals, was cheered enthusiastically by the audience. He was one of only two finalists to choose the F minor Concerto. He played lyrically but something seemed to be holding him back, as if he was full of the right intentions but couldn’t quite express himself as he would want to. Again, not the winner.

Finally, the one we’d all been waiting for: competion favourite Evgeni Bozhanov. I’d not been convinced about him in the second stage but I warmed to his third-stage performance. He clearly has great talent, ability and something to say. I awaited his E minor Concerto eagerly, but – oh, Evgeni! What were you thinking? The grandstanding was back, the histrionic gestures: he thumped the piano, he gurned. To me, it sounded like the cold corpse of Chopin pumped full of anabolic steroids. Harsh perhaps, but I really felt he let himself – and all the people rooting for him – down. My colleague on the Chopin Gazette here in Warsaw, John Allison, likened his performance to an audition for a Hollywood movie about a concert pianist. I have just one thing to add: Next!



não é pra tanto. ela foi bem dura. mas realmente, que venha o dia de hoje ;)