16.5.12

17th

só quem fica longe sabe quão dolorido é cada minuto da distância e quão precioso é cada instante do retorno.

acabei de assistir esse vídeo e não consigo parar de chorar.
ainda bem que é madrugada, e posso fazer isso sozinha, sem ninguém ver...rs!
nele, há lindas imagens de soldados americanos voltando da guerra sem avisar e surpreendendo seus familiares.
ele mostra o único momento em que há beleza na guerra: quando ela acaba.

o momento do reencontro é único.
não importa quantos aconteçam, cada um é um.
e o abraço apertado e longo só expressa o alívio que é perceber que a agora, distância é passado.
...




3.5.12

concerto #4, strathmore concert hall: paco de lucía

e com esse post, eu estou em dia com os relatos dos concertos que fui até agora!
ufa!!

noite fria de primavera.
nunca tinha ido ao strathmore hall, que fica pertinho daqui de casa.
que lugar lin-do!!!!!

cheguei com a meia hora de antecedência que gosto, pra me manter sã, pra manter afastada aquela ansiedade que odeio, o medo de chegar atrasada; se isso fatalmente acontece, os 20 primeiros minutos de concerto são comprometidos, porque a mente não está pronta pra receber a música. está lutando com o sentimento de culpa pelo atraso, pelo mau planejamento...rs!
ou seja, por motivos de saúde, eu preciso chegar cedo nos concertos.
e foi o que, com sorte, aconteceu.

5 anos sem apresentar-se em público. depois desse tempo todo, esse era o quarto concerto de 16 que paco de lucía e sua banda dariam aqui nos estados unidos.

apesar de supostamente este ser um país de fala inglesa,  a língua oficial daquele prédio, naquela noite, era espanhol. 
mas não qualquer espanhol.
era o espanhol de "s" aerado, alveolo-dental.
era a espanha ali, em um só lugar, aglomerada.
como foi bom dividir essa noite com esse público.

paco entrou sozinho, carregando seu violão.
o público foi a loucura ao ve-lo pela primeira vez, e ele sorriu curtinho.


sentou-se no centro do palco e tocou um solo.
silêncio sepulcral.
logo em seguida, apareceu a banda inteira.
e o flamenco encarregou-se do resto.

tudo tão intenso, tanta energia, a loucura rítmica, velocidade e virtuosismo, o calor do público, os brados de um ou outro na banda, a voz exótica dos 3 cantores, a dança, a inacreditável percussão...

e paco, no centro do semi-círculo, a comandar aquele império que ele criou, e que reina absoluto...


meu coraçãozinho batia forte, forte.
pulava.
parece que não só o meu. toda a atmosfera daquele lugar palpitava.





é um evento pra uma vez na vida.
e pra sempre na memória.
pra s-e-m-p-r-e...


video

2.5.12

!?!

nem contei que domingo (dia 22.04.2012) assisti o maravilhoso e monumental requiem de brahms no kennedy center!
esqueci!!!

como pude?
uma das obras pra coro e orquestras mais lindas desse planeta!!

ei-lo aqui:
(acho que não é a primeira vez que posto sobre essa obra aqui no blog...)

baú

abri ontem a última caixa de livros e discos da minha mudança.
foi muita coisa, então a organização foi por etapas.
encontrei essas fotos, e fiquei uns minutos sentada, olhando, lembrando.

a vida corre.
passa rápido.
lembro dessas roupas, lembro dos cheiros e dos lugares...

eu que sempre fui a pequenina, a temporã!
passou...









cara de criança chata! essa foto não foi tirada na minha casa. mas eu era assim: chegava na casa dos outros e se tivesse piano, começava a tocar sem nem pedir... ó Senhor, perdoa minhas antigas transgressões...rs!

concerto #3, kennedy center: herbie hancock

um milênio depois, tomo coragem pra postar sobre esse dia.
vou economizar nas palavras.

meu assento ficava na platéia central, à esquerda. 
relativamente perto do palco. 
a incrível banda era essa:



herbie entrou por último.
escolheu um piano fazioli pra tocar naquela noite.

sorridente, solto, carismático e um pouco frágil pela idade.
aliás, foi o que senti...enquanto ele falava e interagia com o público, sua fragilidade me foi notória, quase distrativa.
mas quando sentou-se ao piano, eu ouvia o som de alguém com tanto viço físico quanto mental.
impressionante.
a expressão corporal foi mínima...
mas ele fazia questão de demonstrar o prazer em fazer aquela música, em prover aqueles sons, aqueles momentos...


impossível, como sempre, descrever com detalhes as sensações dessa noite.
só sei que foi bonito de ver, de ouvir;
privilégio.

o último de uma geração...





muito nervosismo pra filmar isso.
quase não consegui! os guardinhas do kennedy center marcam presença e por um milagre, eu consegui essas imagens, rs!
enjoy :)


video

adágio para a alma

meia-noite.
é, teoricamente, hora de me recolher.
mas antes preciso de algo bonito.
e não sei o quê.
penso nos discos, penso nos livros, penso em escrever, penso nas fotografias.
não é isso.
aí, lembro de samuel barber.
recordo aquela manhã, lá na escola em que trabalhei.
manhã gelada. os alunos ainda ausentes.
e sozinha na neblina daquele dia que timidamente começava, eu ouvi esse adágio para cordas e escrevi tanto, tanto.

é isso.
é o adágio para cordas de barber.

boa noite :)



1.5.12

.


já dizia a máxima popular:
"quem semeia vento, colhe sempre tempestade".